Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(Sem) Manual de Instruções

Porque a vida não tem manual de instruções. Um pouco de tudo o que é importante, tratado com uma pitada de sátira e sarcasmo!

(Sem) Manual de Instruções

Porque a vida não tem manual de instruções. Um pouco de tudo o que é importante, tratado com uma pitada de sátira e sarcasmo!

Há coincidências do catano

altar.jpg

 

 

Aí há uns 7 ou 8 anos fui convidada para um casamento.

Longe de ser um casal de amigos meus. O noivo, chamado Pedro, era amigo do meu namorado da altura.

Portanto, e apesar de conviver ocasionalmente com o dito casal, pode dizer-se que fui convidada como “acompanhante”.

Ora na altura eu vivia no belo litoral algarvio e o casamento estava marcado para a terra da noiva, uma aldeia perto da Guarda, da qual entretanto esqueci o nome.

A viagem de Faro à Guarda era grandita, obrigava a passar lá o fim-de-semana e o meu filhote era pequenino na altura.

Sendo a minha irmã R., que vive em Lisboa, uma tia absoluta e completamente babada que adorava qualquer oportunidade de ver o sobrinho, decidi perguntar-lhe se queria ficar com ele nesse fim-de-semana. Eu passaria por Lisboa no caminho, deixava o pimpolho e seguia para o frio e neve da Guarda.

Liguei à mana assim que recebi o convite, aí com uns 3 meses de antecedência, ao que ela me disse <Claro, uipiiii, deixa-me só confirmar as datas que eu também tenho umas coisitas aí por esses dias. Um casamento também e um aniversário, cenas assim…>.

E a conversa ficou por aqui.

 

Uma semana depois, em conversa fiada ao telefone com a mana sobre vestidos e sapatos (não é costume, mas calhou), comentei com a R. que não sabia o que vestir para o tal casamento, porque era na Guarda e estaria muito frio e possivelmente até neve.

Parece que botas até ao joelho não combinam com vestidos de casamento…

Nesta conversa, quando falo do frio da Guarda diz-me ela <Vais para a Guarda, oh que giro, também vou a um casamento lá perto>.

E a conversa ficou novamente por aqui, qual mau filme dramático em que já está mesmo toda a gente a ver o que se está a passar menos as protagonistas, isto é, nós as duas!!

 

Pois bem, umas semanas depois liga-me a R. novamente e pergunta-me < Olha lá, o casamento que eu tenho na Guarda é no mesmo fim-de-semana que o teu. Mas afinal tu vais ao casamento de quem?? Não me digas que é o casamento do Pedro!>

Ah pois é… Então lá chegámos à conclusão que o noivo (relembro, o amigo de há uns anos do meu namorado da altura), havia crescido junto e era amigo de infância do namorado da minha irmã.

E foi assim que eu e a minha irmã, uma a viver em Faro e a outra em Lisboa, fomos convidadas para o mesmo casamento como acompanhantes dos respectivos namorados! Nenhum dos 3, nem o noivo, nem o meu namorado, nem o namorado da R. faziam a mais pequena ideia.

 

Descoberta esta divertida coincidência decidi pregar uma partida ao noivo:

Uns dias antes da cerimónia disse-lhe com o meu ar mais descontraído <Olha, não te importas que a minha irmã também vá ao casório, pois não?>.

Vi nos olhos dele que a perspectiva de pagar mais uma cabeça no jantar do casamento, só porque me apetecia levar a minha irmã, caiu-lhe tipo leite estragado.

Só quando ele começou a gaguejar <Pois, sim, ah, uh, pois… ah, não sei, não me importo, só que…> é que lhe contei que a irmã que eu ia levar já tinha sido convidada por ele, pois era a namorada do seu amigo de infância!

E pronto, é daquelas que ficam na história...

Um dia conto-vos a história do casamento em si, que daria um filme de comédia dramática, com nevões, carros atolados na neve, o noivo de mangas arregaçadas a tentar desenterrar carros, as convidadas com a maquilhagem não-à-prova-de-água toda esborratada e o copo-de-água a começar com 3 horas de atraso…

Feminismo: ugh, que palavra feia!

 A propósito do dia da mulher, decidi traduzir para aqui este magnifico discurso da jovem actriz Emma Watson nas Nações Unidas, porque nem toda a gente tem de perceber Inglês e o discurso É BOM DEMAIS!

E sim, a Emma Watson é a menina que faz de Hermioni nos filmes do Harry Potter :))

De tirar o chapéu. Subscrevo cada palavra, cada pausa, cada expressão. Ora aqui vai:

 

"Estamos hoje a lançar uma campanha chamada HeForShe. Venho falar-vos porque precisamos da vossa ajuda. Pretendemos acabar com a desigualdade entre géneros, e para isto, precisamos de ter toda a gente envolvida. Esta é a primeira campanha do género nas Nações Unidas. Queremos tentar mobilizar o máximo possível de homens e rapazes para serem os defensores da mudança. E nós não queremos apenas falar sobre o assunto. Queremos garantir que isto seja tangível!

Fui nomeada como Embaixadora da Boa Vontade pela UN Women há seis meses. E quanto mais eu falava acerca de feminismo, mais me apercebi que lutar pelos direitos das mulheres é muitas vezes considerado como ódio aos homens. Se há algo que eu sei com toda a certeza, é que isto tem de acabar.

Para que fique registado, a definição de feminismo é a crença de que homens e mulheres devem ter direitos e oportunidades iguais. É a teoria da igualdade de género política, económica e social.

Comecei a questionar-me acerca de estereótipos baseados no género há muito tempo. Aos 8 anos ficava confusa por me chamarem mandona por querer ser eu a realizar a peça de teatro que íamos apresentar aos nossos pais, mas os rapazes não o eram. Quando tinha 14 anos comecei a ser sexualizada por alguns meios de comunicação. Aos 15 anos as minhas amigas começaram a desistir dos desportos pelos quais eram apaixonadas, por medo de parecerem musculadas. Quando eu tinha 18 anos, os meus amigos rapazes eram incapazes de expressar os seus sentimentos.

Eu decidi que era feminista, e isto era algo descomplicado para mim. Mas as minhas pesquisas recentes mostraram-me que essa se tornou numa palava impopular. As mulheres estão a optar por não se identificar como feministas. Aparentemente, eu faço parte do grupo de mulheres cujas expressões são vistas como demasiado fortes, demasiado agressivas e anti-homens. Feias, até.

Porque é que esta palavra se tornou tão desconfortável? Eu sou Britânica, e eu acho que é justo ser paga o mesmo que os meus conterrâneos masculinos. Eu acho que é justo poder tomar decisões acerca do meu corpo. Eu acho que é correcto que as mulheres sejam incluídas em meu nome nas decisões politicas que vão afectar a minha vida. Eu acho que é justo que, socialmente, me tenham o mesmo respeito que têm aos homens.

Mas, infelizmente, posso afirmar que não existe um único país no mundo onde todas as mulheres possam esperar ter estes direitos. Nenhum país no mundo pode dizer, por enquanto, que atingiu a igualdade entre géneros. Estes direitos, eu considero serem direitos humanos, mas eu sou uma das sortudas.

A minha vida é um verdadeiro privilégio porque os meus pais não me amaram menos por ter nascido mulher. A minha escola não me limitou por ser rapariga. Os meus mentores não assumiram que eu não chegaria longe por poder um dia vir a dar à luz uma criança. Estas influências foram os embaixadores para a igualdade de géneros que fizeram de mim quem eu sou hoje. Eles podem não o saber, mas são inadvertidamente os feministas que estão a mudar o mundo. Precisamos de mais destes.

E se ainda odeias a palavra não é a palavra que importa. É a ideia e a ambição por trás dela, porque nem todas as mulheres tiveram os direitos que eu tive. Na verdade, estatisticamente, muito poucas os tiveram.

Em 1997 Hillary Clinton deu um famoso discurso em Beijing acerca dos direitos das mulheres. É uma tristeza que muitas das coisas que ela queria mudar ainda se mantenham na mesma. Mas o que me chamou mais a atenção foi que menos de 30 por cento da audiência fosse masculina. Como é que podemos operar uma mudança no mundo quando apenas metade dele é convidado e se sente bem-vindo a participar nas conversações?

Homens, gostaria de aproveitar esta oportunidade para vos convidar formalmente. Igualdade de géneros é um problema vosso também. Porque até hoje eu vi o meu pai ter o seu papel parental desvalorizado pela sociedade, apesar de eu enquanto criança ter precisado tanto da presença dele como da minha mãe. Vi homens novos a sofrer com doenças mentais, incapazes de pedir ajudar por medo que isso os diminuísse enquanto homens. Na realidade, no Reino Unido o suicídio é a maior causa de morte em homens entre os 20 e os 49 anos, eclipsando causas como acidentes rodoviários, cancro e doenças coronárias. Já vi homens fragilizados e inseguros por um distorcido rótulo do que constitui sucesso masculino. Os homens também não têm os benefícios da igualdade.

Não falamos com frequência sobre homens aprisionados por estereótipos de género, mas consigo ver que eles o estão e quando os homens forem livres, as coisas vão mudar para as mulheres naturalmente. Se os homens não tiverem de ser agressivos para serem aceites, as mulheres não se sentirão compelidas a ser submissas. Se os homens não tiverem de ter o controlo as mulheres não terão de ser controladas.

Tanto os homens como as mulheres deveriam sentir-se livres para ser sensíveis. Tanto os homens como as mulheres deveriam sentir-se livres para ser fortes. Está na altura de percepcionarmos o género num espectro em vez de dois ideais opostos. Se pararmos de nos definir por aquilo que não somos e começarmos a definirmo-nos por aquilo que somos, poderemos todos ser mais livres, e esta é a essência do HeForShe. É acerca de liberdade.

Eu quero que os homens “vistam este manto” para que as suas filhas, irmãs e mães possam ser livres do preconceito, mas também para que os seus filhos tenham permissão para ser vulneráveis e humanos também, para recuperarem essas partes deles próprios que abandonaram e que dessa forma se tornem numa versão mais completa e verdadeira deles próprios.

Estarão vocês a pensar “Quem é esta rapariga do Harry Potter e o que é que ela está a fazer a discursar na UN?” e é uma boa pergunta. Tenho-me andado a perguntar o mesmo.

Tudo o que eu sei é que eu me preocupo com este problema e que quero torná-lo melhor. Tendo visto o que eu vi, e tendo agora esta oportunidade, sinto que tenho a responsabilidade de dizer algo.

Statesman Edmund Burke disse, “Tudo o que é necessário para as forças do mal triunfarem é que as boas pessoas não façam nada.”

Nos momentos de nervosismo e dúvida acerca deste discurso disse firmemente a mim própria o seguinte, “Se não for eu, quem será? Se não agora, quando?”. Se algum dia tiveres dúvidas semelhantes perante oportunidades, espero que estas palavras te sejam úteis. Porque a realidade é que se nada for feito vão demorar mais 75 anos, eu estarei a fazer quase 100 anos de idade, até as mulheres poderem esperar receber o mesmo que os homens, pelo mesmo tipo de trabalho. 15.5 Milhões de raparigas irão casar nos próximos 16 anos ainda crianças. E, ao ritmo actual, apenas em 2086 as raparigas africanas das zonas rurais poderão ter acesso ao ensino secundário.

Se acreditas em igualdade então poderás ser inadvertidamente uma dessas feministas de que eu estava há pouco a falar, e por isso, tens o meu aplauso. Estamos a lutar por um mundo unido, mas a boa notícia é que temos agora um movimento de união. Chama-se HeForShe. Convido-vos a avançar, a serem vistos e a perguntar a vocês próprios, “Se não for eu, quem? Se não agora, quando?”.

Muito, muito obrigado."

 

Obrigada Emma Watson. Magnífico. xx You go girl! xx