Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(Sem) Manual de Instruções

Porque a vida não tem manual de instruções. Um pouco de tudo o que é importante, tratado com uma pitada de sátira e sarcasmo!

(Sem) Manual de Instruções

Porque a vida não tem manual de instruções. Um pouco de tudo o que é importante, tratado com uma pitada de sátira e sarcasmo!

O país está doente: Marcelo é presidente!

<

Marcelo-Rebelo-de-Sousa-PSD-2.jpg

É com enorme tristeza que vejo que o nosso país não sai da cepa torta. Depois de há apenas 3 meses as legislativas nos terem mostrado que continuamos a "dar a outra face" e a votar sempre nos mesmos, agora temos este resultado nas presidenciais... Quando é que as pessoas vão entender que mais do mesmo não nos serve?

 

Marcelo Rebelo de Sousa tem um sorriso carismático, gosto de o ouvir recomendar livros, é inteligente e popular. A nossa população está envelhecida e aquele sorriso que se estende até aos olhos em ruguinhas simpáticas aquece o coração das senhoras na 3a idade. Não entendo é porque é que ninguém fala de quem foi o pai deste senhor simpático. Chamava-se Baltasar Rebelo de Sousa e foi político de Salazar. Ninguém comenta que foi batizado Marcelo em honra do que seria seu padrinho, Marcelo Caetano. Isso foi há muito tempo, no século passado, e o povo esquece...

Há menos tempo, mas também já esquecido, foi a campanha feita por ele contra a liberalização do aborto, em 2007. Lamento, Professor Marcelo, mas eu tenho boa memória. E qualquer voto contra a liberdade da mulher afeta-me pessoal e intimamente. E também "esquecido" pela nossa prestável (COF COF) comunicação social é a tradição de touradas que ele defende e aprecia...

 

Com tudo isto, e porque tento nunca votar em branco (dá-me a sensação que estou a dizer que tanto me faz), decidi votar em Sampaio da Nóvoa. Porquê? Porque apesar do curriculum dele não me dar garantias, não há uma vírgula nesse que me cheire a esturro. Fez um excelente trabalho na Universidade de Lisboa e principalmente porque tem o apoio oficial e incondicional de Ramalho Eanes, o melhor Presidente da República que Portugal já conheceu.

 

Não me interpretem mal, não sou de esquerda e muitíssimo menos seria de direita. Não nasci direita, nasci torta. Abomino extremismos de qualquer tipo. Mas parece-me um extremismo de parvoíce que a presidência da república seja um concurso de popularidade. E por mais triste que me deixe dizer uma coisa destas, eu hoje tive vergonha. Vergonha, porque me parece que o populismo é tanto, que se a Cristina Ferreira tivesse concorrido nestas eleições teria sérias hipóteses de ir redecorar o Palácio de Belém.