Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(Sem) Manual de Instruções

Porque a vida não tem manual de instruções. Um pouco de tudo o que é importante, tratado com uma pitada de sátira e sarcasmo!

(Sem) Manual de Instruções

Porque a vida não tem manual de instruções. Um pouco de tudo o que é importante, tratado com uma pitada de sátira e sarcasmo!

Feminismo: ugh, que palavra feia!

 A propósito do dia da mulher, decidi traduzir para aqui este magnifico discurso da jovem actriz Emma Watson nas Nações Unidas, porque nem toda a gente tem de perceber Inglês e o discurso É BOM DEMAIS!

E sim, a Emma Watson é a menina que faz de Hermioni nos filmes do Harry Potter :))

De tirar o chapéu. Subscrevo cada palavra, cada pausa, cada expressão. Ora aqui vai:

 

"Estamos hoje a lançar uma campanha chamada HeForShe. Venho falar-vos porque precisamos da vossa ajuda. Pretendemos acabar com a desigualdade entre géneros, e para isto, precisamos de ter toda a gente envolvida. Esta é a primeira campanha do género nas Nações Unidas. Queremos tentar mobilizar o máximo possível de homens e rapazes para serem os defensores da mudança. E nós não queremos apenas falar sobre o assunto. Queremos garantir que isto seja tangível!

Fui nomeada como Embaixadora da Boa Vontade pela UN Women há seis meses. E quanto mais eu falava acerca de feminismo, mais me apercebi que lutar pelos direitos das mulheres é muitas vezes considerado como ódio aos homens. Se há algo que eu sei com toda a certeza, é que isto tem de acabar.

Para que fique registado, a definição de feminismo é a crença de que homens e mulheres devem ter direitos e oportunidades iguais. É a teoria da igualdade de género política, económica e social.

Comecei a questionar-me acerca de estereótipos baseados no género há muito tempo. Aos 8 anos ficava confusa por me chamarem mandona por querer ser eu a realizar a peça de teatro que íamos apresentar aos nossos pais, mas os rapazes não o eram. Quando tinha 14 anos comecei a ser sexualizada por alguns meios de comunicação. Aos 15 anos as minhas amigas começaram a desistir dos desportos pelos quais eram apaixonadas, por medo de parecerem musculadas. Quando eu tinha 18 anos, os meus amigos rapazes eram incapazes de expressar os seus sentimentos.

Eu decidi que era feminista, e isto era algo descomplicado para mim. Mas as minhas pesquisas recentes mostraram-me que essa se tornou numa palava impopular. As mulheres estão a optar por não se identificar como feministas. Aparentemente, eu faço parte do grupo de mulheres cujas expressões são vistas como demasiado fortes, demasiado agressivas e anti-homens. Feias, até.

Porque é que esta palavra se tornou tão desconfortável? Eu sou Britânica, e eu acho que é justo ser paga o mesmo que os meus conterrâneos masculinos. Eu acho que é justo poder tomar decisões acerca do meu corpo. Eu acho que é correcto que as mulheres sejam incluídas em meu nome nas decisões politicas que vão afectar a minha vida. Eu acho que é justo que, socialmente, me tenham o mesmo respeito que têm aos homens.

Mas, infelizmente, posso afirmar que não existe um único país no mundo onde todas as mulheres possam esperar ter estes direitos. Nenhum país no mundo pode dizer, por enquanto, que atingiu a igualdade entre géneros. Estes direitos, eu considero serem direitos humanos, mas eu sou uma das sortudas.

A minha vida é um verdadeiro privilégio porque os meus pais não me amaram menos por ter nascido mulher. A minha escola não me limitou por ser rapariga. Os meus mentores não assumiram que eu não chegaria longe por poder um dia vir a dar à luz uma criança. Estas influências foram os embaixadores para a igualdade de géneros que fizeram de mim quem eu sou hoje. Eles podem não o saber, mas são inadvertidamente os feministas que estão a mudar o mundo. Precisamos de mais destes.

E se ainda odeias a palavra não é a palavra que importa. É a ideia e a ambição por trás dela, porque nem todas as mulheres tiveram os direitos que eu tive. Na verdade, estatisticamente, muito poucas os tiveram.

Em 1997 Hillary Clinton deu um famoso discurso em Beijing acerca dos direitos das mulheres. É uma tristeza que muitas das coisas que ela queria mudar ainda se mantenham na mesma. Mas o que me chamou mais a atenção foi que menos de 30 por cento da audiência fosse masculina. Como é que podemos operar uma mudança no mundo quando apenas metade dele é convidado e se sente bem-vindo a participar nas conversações?

Homens, gostaria de aproveitar esta oportunidade para vos convidar formalmente. Igualdade de géneros é um problema vosso também. Porque até hoje eu vi o meu pai ter o seu papel parental desvalorizado pela sociedade, apesar de eu enquanto criança ter precisado tanto da presença dele como da minha mãe. Vi homens novos a sofrer com doenças mentais, incapazes de pedir ajudar por medo que isso os diminuísse enquanto homens. Na realidade, no Reino Unido o suicídio é a maior causa de morte em homens entre os 20 e os 49 anos, eclipsando causas como acidentes rodoviários, cancro e doenças coronárias. Já vi homens fragilizados e inseguros por um distorcido rótulo do que constitui sucesso masculino. Os homens também não têm os benefícios da igualdade.

Não falamos com frequência sobre homens aprisionados por estereótipos de género, mas consigo ver que eles o estão e quando os homens forem livres, as coisas vão mudar para as mulheres naturalmente. Se os homens não tiverem de ser agressivos para serem aceites, as mulheres não se sentirão compelidas a ser submissas. Se os homens não tiverem de ter o controlo as mulheres não terão de ser controladas.

Tanto os homens como as mulheres deveriam sentir-se livres para ser sensíveis. Tanto os homens como as mulheres deveriam sentir-se livres para ser fortes. Está na altura de percepcionarmos o género num espectro em vez de dois ideais opostos. Se pararmos de nos definir por aquilo que não somos e começarmos a definirmo-nos por aquilo que somos, poderemos todos ser mais livres, e esta é a essência do HeForShe. É acerca de liberdade.

Eu quero que os homens “vistam este manto” para que as suas filhas, irmãs e mães possam ser livres do preconceito, mas também para que os seus filhos tenham permissão para ser vulneráveis e humanos também, para recuperarem essas partes deles próprios que abandonaram e que dessa forma se tornem numa versão mais completa e verdadeira deles próprios.

Estarão vocês a pensar “Quem é esta rapariga do Harry Potter e o que é que ela está a fazer a discursar na UN?” e é uma boa pergunta. Tenho-me andado a perguntar o mesmo.

Tudo o que eu sei é que eu me preocupo com este problema e que quero torná-lo melhor. Tendo visto o que eu vi, e tendo agora esta oportunidade, sinto que tenho a responsabilidade de dizer algo.

Statesman Edmund Burke disse, “Tudo o que é necessário para as forças do mal triunfarem é que as boas pessoas não façam nada.”

Nos momentos de nervosismo e dúvida acerca deste discurso disse firmemente a mim própria o seguinte, “Se não for eu, quem será? Se não agora, quando?”. Se algum dia tiveres dúvidas semelhantes perante oportunidades, espero que estas palavras te sejam úteis. Porque a realidade é que se nada for feito vão demorar mais 75 anos, eu estarei a fazer quase 100 anos de idade, até as mulheres poderem esperar receber o mesmo que os homens, pelo mesmo tipo de trabalho. 15.5 Milhões de raparigas irão casar nos próximos 16 anos ainda crianças. E, ao ritmo actual, apenas em 2086 as raparigas africanas das zonas rurais poderão ter acesso ao ensino secundário.

Se acreditas em igualdade então poderás ser inadvertidamente uma dessas feministas de que eu estava há pouco a falar, e por isso, tens o meu aplauso. Estamos a lutar por um mundo unido, mas a boa notícia é que temos agora um movimento de união. Chama-se HeForShe. Convido-vos a avançar, a serem vistos e a perguntar a vocês próprios, “Se não for eu, quem? Se não agora, quando?”.

Muito, muito obrigado."

 

Obrigada Emma Watson. Magnífico. xx You go girl! xx

Adoro a desinformação dos nossos jornais…

Sobre o caso de assalto à carrinha de valores em Sintra, que parece saído da famosa série americana "Cops", hoje ao passar os olhos pelos jornais nacionais fiquei super esclarecida.

Lendo todos os artigos fica-se até na dúvida se todos falam sobre o mesmo caso, tais são as discrepâncias. Mas nem a informação básica pode ser retirada daqui… Tão simples como:

Quantos assaltantes eram? Afinal, houve roubo ou não houve?

 

OBSERVADOR:

4 homens

"a carrinha de valores que acabou por não ser assaltada".

 PÚBLICO

Entre quatro e cinco elementos. (seriam 4 e meio?)

"...conseguiram levar pelo menos parte do dinheiro que transportava".

 EXPRESSO

4 ou 5 indivíduos

“As autoridades estão à procura de um grupo armado que terá assaltado, na tarde deste domingo, uma carrinha de valores”.

 JORNAL DE NOTÍCIAS

4 homens

“Roubaram dois sacos com milhares de euros que um segurança tinha acabado de recolher”.

 DIÁRIO DE NOTÍCIAS

Pelos menos 6 homens (diz mesmo peloS menos, não é gralha minha, é deles)

“…acabaram por entrar todos para o pequeno Audi, com os sacos do dinheiro e as caçadeiras, abandonando a carrinha”.

 TVI 24

4 ou mais

“…consumaram o assalto e conseguiram levar o dinheiro”.

 CORREIO DA MANHÃ

7 homens (xiça CM, não seriam 30?)

“…minutos depois de roubarem sacos de dinheiro de uma carrinha de valores”.

Ou então, mais abaixo na mesma notícia:

“Não se sabe se os homens conseguiram levar os valores”.

 

Gostei particularmente do artigo do PÚBLICO, jornal que até não tenho em má consideração, mas Por Favor!

Ora leiam alguns trechos desta pérola escrita em bom português (hum hum):

 

#1 MASCULINO OU FEMININO?

 

“…a circulação na A16 esteve vários vezes condicionada desde o início da tarde, tendo inclusive (porquê o uso do itálico?) chegado a estar cortada nos dois sentidos.”

 

#2 VAMOS ENCHER ISTO COM CHOURIÇOS E FRASES GRANDES

 

“…foi transportado para aquela unidade por uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação do Instituto Nacional de Emergência Médica.”

Não era mais simples “…foi transportado para aquela unidade por uma ambulância do INEM.”

 

#3 DE NOVO PERSEGUIDO PELO ITÁLICO E UM “R” PERDIDO…

 

“O PÚBLICO tentou contactar, sem sucesso, a Loomis, que no seu site (itálico?) informar ter uma frota de cerca de 100 viaturas…”.

 

#4 FRASES BEM CONSTRUÍDAS

 

“…estando a investigação do assalto entregue à Polícia Judiciária, onde está entregue à Unidade Nacional de Contra Terrorismo.”

Ou então “…estando a investigação do assalto entregue à Unidade Nacional de Contra Terrorismo da Polícia Judiciária”, não?

 

“O grupo, que a polícia acredita ter entre quatro e cinco elementos, continuou a ameaçar automobilistas a pararem, tendo conseguido imobilizar uma viatura que usou para fugir”.

Continuou a ameaçar automobilistas a pararem?

 

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/autoridades-procuram-grupo-armado-apos-assalto-a-carrinha-de-valores-em-sintra-1724713

 

Bad boys, bad boys
What'cha gonna do?140827cops1.jpg
What'cha gonna do when they come for you?
Bad boys, bad boys

 

 

 

 

Eleições: Será Síndrome de Estocolmo?

prometo-solenemente-que-tudo-o-que-prometo-no-irei

 Começo a achar que a população portuguesa devia ser alvo de um case study sobre problemas de memória a longo prazo. Quando oiço comentários sobre o “voto útil” começo a ficar com comichões generalizadas pelo corpo todo.

Mas que merda é um voto útil? Todos os votos são úteis. Não há votos que valem por dois e outros que valem por meio-voto.

 

 Li ontem alguns comentários deste género algures pelos meandros do Facebook: “O partido com que eu mais me identifico até é o Z, mas como esses ainda não ganham eleições vou optar pelo voto útil e votar no PS”. A sério? É que os programas não são sequer parecidos…

 

Ora bem, façamos um exercício daqueles que podia sair num exame da 4ª classe:

  1. O António, o Pedro, o Rui e a Ana vão às urnas. O António vota no PS. O Pedro vota no PSD-CDS. O Rui e a Ana identificam-se com o programa do Livre/Tempo de avançar. No entanto, o Rui e a Ana querem ter um “voto útil” e por isso decidem votar antes no PS.

a) Quem ganha as eleições se a Ana e o Rui votarem de acordo com as suas convicções?

b) Quem ganha as eleições se a Ana e o Rui se acobardarem e optarem pelo “voto útil”?

 

As pessoas são levadas a acreditar que não há alternativas… que votar num partido que nunca tenha governado “não conta” porque não têm hipóteses. Outras porque acreditam que um partido que nunca governou, apesar de ser constituído por pessoas capazes, com currículos impecáveis e provas dadas em áreas de destaque, não saberiam governar um país. Mas, elucidem-me por favor, os que lá têm estado nas últimas décadas… sabem governar um país?

Ou estamos todos loucos ao “dar a outra face” pela vigésima vez, ou somos todos vítimas de Síndrome de Estocolmo. Apegamo-nos a quem nos trata mal a nós cidadãos e ao nosso país.

 

E a grande culpa desta teoria do voto útil estar tão enraizada na população portuguesa é dos nossos meios de comunicação. A cobertura noticiosa às campanhas eleitorais é tão vergonhosa que devia ser ilegal. O debate Passos-Costa começou com um comentário da Judite de Sousa que este "é o debate decisivo"? Isso é, logo à partida, reforçar a ideia na cabeça das pessoas de que apenas um dos dois partidos pode ganhar as eleições, de que a escolha deve ser feita entre estas duas opções. Isto é o mesmo que meter num ringue todos os partidos, supostamente em pé de igualdade, mas armar alguns com uma bazuca e outros com uma colher de pau.

Damos mais tempo de antena a tudo o que nos "adormece". Na Roma antiga era utilizado o “pão e circo” como forma de manter o povo alimentado e entretido, afastado da política e das questões sociais, portanto controlado.

Estupidificam as pessoas tratando futilidades com um destaque tremendo. Programas sem substância, sobre pessoas sem conteúdo que ganharam 15 minutos de fama.

 

E tempo de antena para o que realmente interessa? E resumos diários das principais medidas de cada partido? E entrevistas igualitárias? E cobertura aos partidos com menos expressão? Onde estão?